Odontologia & Veganismo

Odontologia & Veganismo

Nos últimos 70 anos, surgiram diversas definições de veganismo, tendo sido a primeira feita em 1945: “O veganismo é a prática de viver das frutas, nozes, legumes, grãos e outros produtos saudáveis não-animais. O veganismo exclui como alimento humano, carne, peixe, aves, ovos, mel e leite de animais, manteiga e queijo. Visa incentivar a fabricação e utilização de alternativas aos produtos de origem animal.” (Watson, 1945).
A definição mais divulgada é a de que o veganismo é “uma filosofia e estilo de vida que procura excluir, na medida do possível e praticável, todas as formas de exploração e crueldade contra os animais, seja para a alimentação, vestuário ou qualquer outro propósito” (Vegan Society, 1979).

Felizmente, há muito o que ser dito em termos do que é possível e praticável, hoje em dia. Em relação aos hábitos alimentares, por exemplo, o vegano é vegetariano estrito. Não consome, portanto, nenhum ingrediente de origem animal: carnes (brancas ou vermelhas), leite ou seus derivados, corantes animais, ovos ou mel.
Essa filosofia de vida não é relacionada apenas a termos dietéticos. O vegano é, ainda, contra a caça, rodeios, touradas, rinhas, vaquejadas, os testes em animais e a vivissecção, enfim, procura não fazer uso, assim sendo, de quaisquer produtos ou sub-produtos provenientes da exploração animal.
Nas ciências biológicas, infelizmente, muitos danos foram e continuam sendo causados às outras espécies.
Esse quadro vem sendo revertido. Devido aos avanços tecnológicos na pesquisa e treinamento, há a possibilidade de substituir os métodos habituais por técnicas que não causem benefícios à nossa espécie em detrimento das outras.

Nas instituições de ensino, atualmente, o direito constitucional da objeção de consciência, permite que o acadêmico se recuse a participar de experimentos com animais e não seja mais, forçosamente, submetido às regras de instituições que ainda pratiquem a vivissecção.
As mudanças em relação à experimentação e alternativas à pesquisa animal são tópicos que estão sendo discutidos em todas as esferas do conhecimento, sendo possível observarmos uma notável conscientização desde a primeira definição do veganismo.

Podemos observar, nitidamente, que a civilização atual é estruturada na exploração dos animais, assim como as civilizações anteriores foram estruturadas na exploração dos escravos. Acreditamos que o destino espiritual do homem é tal que, com o tempo, contemplará com repulsa a idéia de que um dia o ser humano tenha se alimentado de produtos provenientes dos corpos dos animais.
Donald Watson – Vegan News nº1, Novembro de 1944

Compartilhe: